Gestão Redes Sociais

Criação de Marca

Desenvolvimento de Website

Criação de Conteúdos

En

Contacte-nos

Vamos jogar às escondidas (atrás das paywalls)?

Gestão de redes sociais, Notícias | 20 Julho 2017 | Hugo Picado de Almeida

O Facebook anunciou esta semana que vai permitir a existência de paywalls para jornais dentro da sua plataforma, via Instant Articles, bloqueando o acesso dos utilizadores a alguns conteúdos.

Na prática, como anunciou ontem Cambell Brown, Chefe de Parcerias com os Media do Facebook, os leitores terão acesso a dez artigos por mês e por jornal nos Instant Articles. A partir daí, serão redirecionados para o site do jornal, onde serão convidados a pagar uma subscrição para continuarem a aceder ao conteúdo.

Esta jogada do Facebook pretende acalmar as grandes publicações norte-americanas. Lembre-se que o New York Times e a News Corp., dona do Wall Street Journal, lideraram um pedido ao Congresso Norte-Americano, na semana passada, para abrir uma excepção na Lei da Concorrência, o que permitiria ao sector negociar em conjunto com o Facebook e a Google, que os media acusam de possuir um controlo excessivo sobre a publicidade digital.

Este anúncio veio reatar o debate sobre o uso de paywalls pelos jornais online, e é uma excelente desculpa para também nós olharmos para o tema.

Subscritores vs Publicidade

Assumo desde já a minha posição. As paywalls afirmam uma coisa e uma coisa apenas, a incapacidade dos jornais para se adaptarem ao mundo digital. E cada paywall que surja terá apenas um significado, o de anunciar a morte dos jornais enquanto os seus directores se distraem alegremente a contar subscritores. No primeiro ano da sua paywall, o New York Times alcançou perto de 500 mil subscritores, o que o The Guardian estima trazer um retorno de 34,5 milhões de dólares. Número interessante, é certo, mas ao qual é preciso subtrair o desconhecido valor do investimento na enorme promoção do próprio serviço, e olhar à queda de 48,5 milhões nas receitas de publicidade digital do jornal. Mesmo aceitando que as paywalls se tornem comuns e que 10% ou mesmo 20% dos leitores de um jornal online aceitem subscrever para derrubar a paywall, quem é o anunciante que daqui por dez anos pagará para comunicar com essa pequena franja de leitores, quando no Facebook ou em publishers livres podem alcançar a globalidade da população? Começa o futuro a ficar mais claro?

Os jornais entram em campo a perder, e a receita para o fracasso está à vista de todos: quanto mais se fecharem nas suas paywalls, mais restrita será a sua comunidade de leitores, e a queda na publicidade não fará senão agravar-se. Quem serão as empresas a comprar anúncios em sites lidos por um nicho dos anteriores leitores de um jornal, numa época em que crescem cada vez mais publishers nascidos já na era digital e que dominam o seu funcionamento? Os jornais tradicionais têm hoje uma relevância cada vez menor porque falharam em compreender as regras do jogo.

Derrubar muros para erguer paywalls

A grande maioria dos jornais – e em Portugal apetece dizer todos, até porque o Público não é o New York Times e uma infografia interactiva de quatro em quatro anos, quando há eleições, não é suficiente para o conteúdo se tornar deslumbrante – falhou a compreensão do mundo digital, e em particular das redes sociais. O proteccionismo, na internet, não vale de nada quando a distância é a da maratona. Trancar conteúdos é estratégia anacrónica num mundo cada vez mais livre e aberto, e procurar o like a todo o custo – pela inevitável necessidade de compensar a queda de leitores na proposta feita aos anunciantes – emenda pior do que o soneto. Talvez tenham os jornais digitais uma lição a aprender com as editoras de música.

Parem de se queixar das redes, assumam que o mundo mudou, façam melhores trabalhos de investigação e acedam ao que não está à vista de todos – porque o Mundo já não se interessa pelas notícias comezinhas que eram as de um país de aldeias e que se noticiam por si -, usem as novas ferramentas para apostar em conteúdos fortes e originais, reinventem-se. Nunca foi tão fácil distribuir conteúdos por um público em movimento crescente, e nunca os jornais o fizeram tão mal. Acrescentem valor ao vosso trabalho e os leitores saberão recompensar-vos. Até porque é aqui, nas redes, e cada vez mais aqui, que os leitores estão.

O mundo digital tem tanto de complexo como de interessante, mas não te preocupes que estamos cá para te guiar.
Descobre os nossos serviços de gestão de redes sociais.

Saber Mais

Partilhar:

Deixa o teu comentário:

Responde a este comentário