Gestão Redes Sociais

Criação de Marca

Desenvolvimento de Website

Criação de Conteúdos

En

Contacte-nos

O Instagram e as suas Stories: porque devemos tirar proveito delas?

Gestão de redes sociais | 14 Setembro 2018 | Jesse Viana

As Instagram Stories chegaram até nós há dois anos, mas quase que parece que sempre estiveram aqui. Desde o seu lançamento, em Agosto de 2016, cresceram a olhos vistos – assim como o número de utilizadores ativos da rede social, que já ultrapassou o bilhão. Por isto mesmo, pode-se dizer que o Instagram se tem vindo a consagrar como uma das plataformas sociais onde os marketeers estabelecem a sua marca/imagem, assim como a sua (leal) comunidade.

Se ter uma página imaculada já é difícil, então manter as stories excitantes é todo um outro nível. O lado bom da coisa é que não precisam de ser tão bem calculadas/aperfeiçoadas quanto as imagens do feed, mas precisam de tempo e de muita atenção ao que se passa (funcionam muito no imediato), a fim de garantir que nada escapa – principalmente a oportunidade de criar engagement.

Cerca de um terço dos utilizadores ativos do Instagram, todos os dias, estão a ver stories. Pondo isto em números concretos, significa que são à volta de 330 mil pessoas. Ora, a tua audiência deverá estar por aqui algures.

Então, porque é que as devemos usar? Foi a esta e a outras perguntas que o Social Media Today quis responder. Para isto, lançou um debate no Twitter e deixou que os seus seguidores respondessem por si, e nós vamos mostrar-vos as suas conclusões.

Quais são os seus benefícios, quando comparadas com as publicações no feed?

Como resposta a esta pergunta, a utilizadora Shraddha Sankhe(@Shraduh) diz que “as stories são o pulso das redes sociais atualmente”: feitas em tempo-real, são efémeras – só duram 24h – e, melhor de tudo, aparecem no topo do feed. Para além disto, são o único tipo de conteúdo que permite link direto para o teu website, dando-te tráfego e implementando as vendas.

Ao serem dinâmicas, captam o momento enquanto está a acontecer: seja através de vídeo, áudio ou até de boomerangs.
Apesar de ainda não dar para ver as emoções que despoletam (…ainda!), são bastante divertidas. Por isso, sê criativo e aproveita-as para fazeres bastidores, sondagens, e até para fazer perguntas. E, ainda mais importante, interage com quem te segue – por exemplo, ao partilhar conteúdo onde foste identificado (também conhecido como repost), ou põe algo que te inspire enquanto marca.

Como criar stories que se destaquem?

Então, primeiro, é importante conhecer a audiência e criar conteúdos para ela. Ao saberes quem são, poderás criar stories genuínas, como se estivesses a fazê-las para o teu melhor amigo ver.

Em segundo, diverte-te, faz com que sejam únicas, atraentes e divertidas, que mostrem a tua personalidade.
A consistência também é um fator determinante, e deves ter atenção não só ao conteúdo como também à frequência com que publicas as tuas stories. Um emoji slide aqui, uma pergunta ou outra ali… já percebeste. Isto vai fazer com que aumente o engagement e o feedback. Ah, e não te esqueças de incluir áudio e vídeo, são fundamentais.

Bem sabemos que as stories são curtas (têm um máximo de 15 segundos), mas aproveita-os bem. Varia os assuntos, não sejas monótono, faz com que as pessoas queiram continuar a clicar para ver a próxima.

Como chegar à audiência que se quer?

Por fim, esta é a última pergunta do debate. Segundo os utilizadores, é através de hashtags, identificando outras contas, e da localização – mas nunca em simultâneo, pois pode ser confuso. Ou, como dito acima, através dos reposts. O conteúdo gerado pelos utilizadores (UGC) é precioso, e incluí-los é essencial. Quem não gosta de ver o seu conteúdo partilhado?

Se quiseres estar a par das novidades do mundo do marketing digital e redes sociais, subscreve o nosso Auto-Rádio.

O mundo digital tem tanto de complexo como de interessante, mas não te preocupes que estamos cá para te guiar.
Descobre os nossos serviços de gestão de redes sociais.

Saber Mais

Partilhar:

Deixa o teu comentário:

Responde a este comentário