Gestão Redes Sociais

Criação de Marca

Desenvolvimento de Website

Criação de Conteúdos

En

Contacte-nos

Serão as infografias importantes para o marketing digital?

Comunicação Digital | 22 Setembro 2017 | Afonso Mora da Silva

Na gíria do marketing, chamamos de infografias aos gráficos que ajudam a apresentar informação e a explicar facilmente questões complexas. Com estes gráficos, até uma pequena marca com um orçamento modesto consegue ter a atenção do seu público-alvo.

Para criar este tipo de conteúdo, devemos ter, muito resumidamente, três coisas: uma boa ideia (afinal de contas, não começa tudo com uma boa ideia?), um programa de edição de imagem e, posteriormente, vários canais de distribuição para disseminar o trabalho final.

De acordo com dados apresentados pelo Social Media Today, as infografias geram, em média, 3 vezes mais engagement nas redes sociais do que outro tipo de posts. Este engagement apresenta-se na forma de likes, comentários e shares.

Seja como for, não basta apenas ser criativo e partilhar infografias com regularidade no Facebook – é preciso mais. Por isso, hoje, elaboramos uma lista com 4 formas de potenciar infografias na internet.

1. Apresentar infografias em landing pages

As infografias rapidamente fazem sobressair os pontos-chave de determinada temática. O engagement deste conteúdo é tão interessante que, muitas vezes, é concebido para um posterior CTA (Call To Action). E onde é que os CTAs são relevantes? Exactamente: nas landing pages.

Nesse sentido, podemos desenvolver uma infografia para uma landing page, apresentando as ideias principais de um produto ou serviço. Desse jeito, não só a informação se torna passível de ser compreendida mais facilmente (uma vez que as infografias são, por norma, muito explicativas) como os marketers também conseguem jogar com a psicologia da cor, por exemplo.

2. Apresentar infografias em newsletters

Tal como as landing pages, as newsletters necessitam de ser esteticamente apelativas para terem sucesso. A informação apresentada numa newsletter é, por norma, muito sucinta, ao mesmo tempo que oferece ao subscritor detalhes suficientes para encorajar o CTR (Click-Through Rate). E é precisamente por isso que este tipo de conteúdo se afigura relevante para este espaço.

Aconselhamos a que se façam Newsletters em plataformas específicas para o efeito. O MailChimp parece-nos uma excelente opção, mas também somos suspeitos: é nesse website onde está a nossa newsletter mensal (com os melhores artigos do blog), e o nosso Auto-Rádio.

 

3. Integrar infografias num curso online

À parte de apresentar infografias em newsletters e landing pages, também podemos acrescentar valor a este conteúdo oferecendo-o num curso online.

Desenvolver um curso online sobre determinado assunto pode ser feito sem uma infraestrutura de eLearning, apesar de requerer mais trabalho por parte das pessoas que o vão ministrar. Relembrem-se, apenas, de que os utilizadores esperam conteúdo de alta qualidade neste tipo de cursos, onde não há espaço para listicles (isto é, listas padronizadas, do género: “X coisas que não podes perder sobre Y”) e demais temáticas passíveis de serem encontradas grátis na internet.

 

4. Partilhar partes de infografias no Instagram

Na teoria,Instagram parece ser a plataforma perfeita para distribuir infografias. Afinal de contas, uma infografia rege-se, essencialmente, por imagem, e a rede social tem o seu sucesso precisamente por ser uma app de partilha desse formato. Contudo, consideramos uma melhor estratégia: identificar segmentos de conteúdo que funcionem por si só, e publicá-los em diferentes períodos do dia. 

Gerar seguidores nesta rede social é importante, mas não tão importante como conduzir tráfego específico para o nosso website.

Se quiseres estar a par das novidades do mundo do marketing digital e redes sociais, subscreve o nosso Auto-Rádio.

O mundo digital tem tanto de complexo como de interessante, mas não te preocupes que estamos cá para te guiar.
Descobre os nossos serviços de gestão de redes sociais.

Saber Mais

Partilhar:

Deixa o teu comentário:

Responde a este comentário